Plmx Park

Motocross, Velocross, Oficina e Bar.
Aberto de segunda a sábado, das 9h as 18h

Eli Tomac foi o grande destaque da abertura do campeonato

Eli Tomac foi o grande destaque da abertura do campeonato

Marvin Musquin e Jeremy Martin dividiram vitórias na categoria 250

O renovado circuito de Hangtown, no sul da Califórnia, abriu a temporada “outdoor” do cross norte-americano. A primeira das 12 etapas do Lucas Oil AMA Motocross viu uma performance dominante de Eli Tomac na classe principal. Na categoria 250, o francês Marvin Musquin venceu a primeira, e o atual campeão Jeremy Martin deu o troco na segunda, faturando a classificação geral da etapa.


Largada 450

A primeira prova de um campeonato nem sempre é uma matriz do que virá a seguir no campeonato. O próprio Supercross desse ano foi um exemplo disso. Ryan Dungey só engatou a última marcha na quarta etapa e um pouco depois disso que passou a realmente dominar a série. Mas uma certeza ficou após as corridas de Hangtown: a concorrência de Eli Tomac tem que se preocupar e muito.

Veja também os vídeos com as corridas na íntegra:  450 Bateria 1 | 450 Bateria 2 | 250 Bateria 1 | 250 Bateria 2

Destaques de Hangtown


Eli Tomac

Não me lembro de uma vitória tão arrasadora nas recentes temporadas quanto foi a segunda corrida da 450. Eli Tomac abriu mais de 1 minuto e meio de Dungey e deu volta até no nono colocado. Em seu melhor giro, o piloto da Geico Honda foi mais de 5 segundos mais rápido que o da KTM. Cinco segundos! E Dungey não estava passeando, seu melhor tempo foi mais de dois segundos abaixo do restante do pelotão. Independente de qualquer outro fato, uma performance assim na primeira prova da temporada acende o sinal de alerta nos adversários. “Como vamos tirar essa diferença”, devem estar pensando os concorrentes de Tomac.


Ryan Dungey

 


Jason Anderson

Tomac só não liderou as primeiras curvas da primeira corrida. Logo ele definiu a primeira posição na disputa com Dungey e também foi embora, apenas com uma vantagem mais moderada, de 22 segundos. Tomac parece não ter sentido a degradação da pista como os outros e manteve os tempos de volta no mesmo ritmo da primeira corrida durante a segunda bateria. Os demais perderam entre dois e quatro segundos, pelo menos. O pior é que Tomac chegou ao final inteiro, sem demonstrar cansaço, parecendo pronto para outra largada.

Ryan Dungey: o recém-coroado campeão do supercross pode ter percebido que o dia e a pista eram de Tomac e, com a segunda posição sob controle, evitou se arriscar, segurando a onda. Pode ser que ele tenha guardado o jogo para as próximas etapas. Pode ser também que tenha voltado para casa preocupado, imaginando o que mudar no acerto ou na pilotagem para virar a mesa. Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos.


Blake Baggett

 


Christophe Pourcel

Os outros: com Trey Canard fora e Ken Roczen em condição questionável (leia mais abaixo), a briga deve ficar mesmo entre Tomac e Dungey. Aparentemente o restante do pelotão tem que escalar um degrau (ou dois) para entrar na disputa. Jason Anderson ficou com a terceira posição geral (via 3-7) e um honroso pódio, mas não navegou próximo de Dungey, muito menos de Tomac. Aliás, a disputa pela terceira posição na etapa foi bem mais acirrada do que pela vitória. Weston Peick e Blake Baggett ficaram em quarto e quinto, respectivamente, a apenas um pontinho de Anderson.

Ken Roczen: o atual campeão sofreu uma lesão em uma antiga fratura na coluna durante a preparação para o campeonato e não subiu na moto durante a semana que antecedeu a etapa. O alemão da RCH Suzuki rodou a primeira bateria em visível desconforto, longe, mas muito longe de sua capacidade, para finalizar apenas em 19º. Na segunda corrida se soltou mais e salvou bons pontos com o quinto lugar para um 12º geral. Segundo comunicado de sua equipe na segunda-feira, o time está avaliando diariamente a situação e é possível que o piloto precise de alguma intervenção cirúrgica. Caso seja necessário, o time torce para que o procedimento aconteça após a temporada. De qualquer forma, é um início complicado para a defesa do título, longe de sua melhor forma e 30 pontos atrás.


Honda comemora vitória na abertura da temporada

Cole Seely sofreu uma forte queda no início da primeira bateria e ficou fora de ação durante o resto do dia, mas a equipe oficial Honda garante que ele estará alinhado na próxima etapa, em Glen Helen.

250


Largada 250

 


Jeremy Martin

A primeira corrida das 250 teve a liderança de Justin Bogle na primeira volta, que depois passou a tocha para o jovem Adam Cianciarulo que algum tempo depois caiu e perdeu posições. Na sequência o francês Marvin Musquin tomou a dianteira, antes da oitava passagem, e comandou o show até a bandeirada.

O atual campeão Jeremy Martin ficou estacionado na sexta posição no início da corrida até encontrar um ritmo melhor e passar a atacar. Martin tomou a segunda posição de seu companheiro na Star Yamaha, Cooper Webb, a duas voltas do fim, mas não chegou a ameaçar Musquin que recebeu a bandeirada com 4 segundos de vantagem.

Na segunda bateria a situação se inverteu. Martin começou a corrida na frente e Musquin nas primeiras voltas teve que anular uma largada mediana. Em seis voltas Musquin subiu de oitavo para segundo, mas depois não conseguiu tirar a diferença para Martin, pelo contrário, a distância entre os dois aumentou.

Pelo critério de desempate (melhor resultado na última bateria) Martin saiu com o troféu de vencedor na etapa, mas em termos de campeonato ele e Musquin começam juntos, com 47 pontos. Quem mais será capaz de entrar na corrida pelo título?


Marvin Musquin

Post navigation

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>