Plmx Park

Motocross, Velocross, Oficina e Bar.
Aberto de segunda a sábado, das 9h as 18h

Month: agosto 2017

Resultados do AMA Motocross 2017 – Budds Creek – 11ª etapa

Zach Osborne confirma o título com uma etapa de antecipação

 


Zach Osborne pode faturar o título 250 hoje


250 2ª Bateria

Zach Osborne é o novo campeão do AMA Motocross 250. O piloto da Husqvarna venceu a segunda bateria em Budds Creek e abriu 64 pontos sobre Jeremy Martin. Adam Cianciarulo (1-2) ficou com a vitória da etapa, sua primeira como profissional.

Joey Savatgy piorou a situação do pé machucado em Unadilla durante as tomadas de tempo e não correu as baterias de hoje.

Depois de abandonar a primeira bateria Gustavo Pessoa fez mais uma grande corrida no AMA e faturou 4 pontos com a 17ª colocação.

Adam Cianciarulo liderou toda a primeira bateria até a bandeirada, com 6 segundos de vantagem sobre Jeremy Martin. Zach Osborne teve um começo de prova difícil e completou a primeira volta apenas em 26º. Recuperou-se até oitavo, mas perdeu 9 pontos em relação a Martin. A diferença está em 54 pontos e precisa ficar acima dos 50 para garantir o título ainda hoje.


Gustavo Pessoa andou boa parte da prova entre os 15 primeiros, mas abandonou a 7 voltas do fim.

Pódio
1. Adam Cianciarulo, 47 pontos
2. Zach Osborne, 38
3. Shane McElrath, 38

Classificação Geral
1. Zach Osborne, 451
2. Jeremy Martin, 387
3. Adam Cianciarulo, 330


450 2ª Bateria

Eli Tomac voltou a vencer na segunda bateria da penúltima etapa e garante uma situação mais tranquila para a final do campeonato. Justin Bogle liderou o início e a primeira posição ainda passou pelas mãos de Blake Baggett antes de Tomac assumir o comando na sétima volta. Musquin começou a corrida em oitavo e recuperou até a quarta posição, mas perdeu contato com o pelotão da frente.

Marvin Musquin recuperou mais 7 pontos em relação a Eli Tomac. Justin Bogle venceu a primeira bateria depois de tomar a liderança de Martin Dávalos 

1. Justin Bogle, 45 pontos
2. Marvin Musquin, 40
3. Eli Tomac, 39

Classificação Geral
1. Eli Tomac, 439
2. Blake Baggett, 411
3. Marvin Musquin, 40

Marvin Musquin conquista a terceira dupla vitória consecutiva. Jeremy Martin fatura classe 250

AMA Motocross 2017: resultados e situação do campeonato após Unadil


Temporal encurtou provas em Unadilla


A primeira bateria da classe 250 foi a única que escapou da chuva. Um temporal com ventos fortes interrompeu a primeira bateria da 450 com 25 minutos. Após algum atraso, as corridas finais de cada classe foram disputadas, ainda sob chuva, com tempo reduzido para 20 minutos mais duas voltas.

O francês Marvin Musquin vem desenhando um ótimo final de campeonato, com a sexta vitória consecutiva em baterias. Hoje ele tirou 23 pontos em relação a Eli Tomac, nono colocado geral. Na tabela, Musquin encostou em Blake Baggett (4 pontos) pela segunda posição e fica a 31 pontos de Tomac faltando duas etapas para a conclusão do campeonato.


Na classe 250 Jeremy Martin (2-1) ficou com a vitória da etapa sobre Joey Savatgy (1-4) e Zach Osborne (3-5). Apesar de perder 11 pontos em relação à Martin, Osborne ainda sustenta a confortável vantagem de 63 pontos. O brasileiro Gustavo Pessoa não classificou para as provas principais com o 48º tempo nos treinos classificatórios.
Resultados


Pódio 450
1. Marvin Musquin, 50
2. Martin Dávalos, 35
3. Cole Seely


Pódio 250
1. Jeremy Martin, 47 Pontos
2. Joey Savatgy, 43
3. Zach Osborne, 36

CRF 250 2018 all new

Apresentação Honda CRF250R 2018
Modelo completamente novo teve seus detalhes revelados hoje

 


Honda CRF250R 2018


A Honda divulgou nesta segunda-feira, 31 de julho, detalhes da sua nova Honda CRF250R 2018. O modelo da classe MX2 foi completamente reformulado compartilhando quadro e suspensões com a irmã 450. O motor é completamente novo, com duplo comando no cabeçote em vez do comando único com braços – sistema Uni-Cam – usado até a versão 2017. A motocicleta ganha também partida elétrica.


Honda CRF250R 2018


Motor

As extensivas mudanças no motor, já usadas pela equipe da fábrica no Japonês de Motocross, trouxeram um ganho de potência da ordem de 9% e maior usabilidade em altas rotações. Segundo a marca, com o novo motor as arrancadas de 0 a 30 metros ficaram 3,6% mais rápidas.


Honda CRF250R 2018 – Novo motor com duplo escapamento
Motor Honda CRF250R 2018

Motor Honda CRF250R 2018

Motor Honda CRF250R 2018

A taxa de compressão subiu para 13,9:1 (ante 13,8:1) e os gráficos mostram ganho de potência numa faixa superior a 2000rpm. O corte de alimentação ocorre também 900rpm acima. O ponto central para o ganho de força é o maior fluxo da mistura de combustível na nova configuração de motor. As novas medidas do motor também contribuíram. O diâmetro subiu de 76.8 para 79mm enquanto o curso foi reduzido de 53.8 para 50.9. Isto significa que o crescimento das rotações também é mais rápido. O diâmetro maior do cilindro permite o uso de válvulas (de titânio) maiores: 33mm na admissão (30.5mm na 2017) e 26mm na exautão (25mm na 2017).

A abertura de válvulas também cresceu para 10.5mm (de 9.2mm) na admissão e 9.5mm (de 8.4mm) no escape. O ângulo das válvulas também é mais compacto baixando de 21.5º para 20.5º. As árvores de comando recebem o tratamento DLC (Diamond Like Carbon) uma fina camada que favorece a resistência e durabilidade do material. O corpo do acelerador de 46mm foi reposicionado e o duto de admissão recebe o fluxo de forma simétrica.  


Motor Honda CRF250R 2018

Pistão Honda CRF250R 2018

Motor Honda CRF250R 2018


Chama a atenção a saída dupla de escape. A CRF250R agora possui dois canos (e a respectiva ponteira) completamente independentes, não mais apenas um cano que se divide em duas ponteiras. Um detalhe curioso, mas que não foi comentado na descrição técnica, é o fato de apenas o cano do lado direito possuir a câmara de expansão.

Novo também é o formato Bridged Box do pistão, com perfil que une a saia à caixa do pino, promovendo maior rigidez. Apesar do aumento em seu diâmetro, a massa do pistão permanece a mesma. O virabrequim também tem um novo desenho e é 350g mais leve enquanto mantém a mesma massa inercial. Para tornar o motor o mais compacto possível, a distância entre o eixo virabrequim e do balanceador foi reduzida em 0,5 mm e 1 mm até as engrenagens primárias. A corrente de comando está agora à direita, para encurtar a distância entre o eixo e o gerador de corrente alternada (ACG).


Novo subquadro e caixa do filtro de ar – Honda CRF250R 2018

A CRF250R elimina o pedal de partida. O novo lay-out do virabrequim permitiu a instalação de um motor de arranque localizado bem próximo ao centro de gravidade da motocicleta. O peso do motor com o novo acessório subiu ao redor de 1kg. Uma bateria de íon-lítio provê o armazenamento de energia para a partida.

Outra novidade do motor é que o óleo volta a ser compartilhado com a embreagem e o câmbio. O volume total de lubrificante foi reduzido de 1,6 para 1,250 litro. O caminho do bombeamento do óleo para o comando de válvulas foi simplificado e encurtado. As mangueiras do circuito de refrigeração também são novas e tiveram a espessura da parede reduzidas de 4mm para 3mm.


Bateria de Íon-Lítio – Honda CRF250R 2018


A embreagem permanece exatamente com as mesma dimensões, mas a campana teve seu desenho revisado e as flanges utilizam um novo material. Novo também é o acionador que teve o desenho simplificado. O câmbio de cinco marchas é construído com um novo aço de alta resistência e ficou 200g mais leve. As relações de 1ª e 2ª marchas foram levemente encurtadas enquanto na relação final a coroa baixou de 49 para 48 dentes.

Do lado esquerdo do guidão, o botão do Engine Stop e do seletor de mapas foram agrupados num único suporte. São três os modos disponíveis: padrão, suave e agressivo. Uma pequena luz indica o modo selecionado. Do lado direito fica o botão de partida. O comando do acelerador também é novo, assim como o cabo, que incorpora o deslizador que anteriormente ficava no comando.

Chassis


Honda CRF250R 2018

Honda CRF250R 2018

Honda CRF250R 2018

Honda CRF250R 2018

A CRF 250R 2018 incorpora mesmo quadro e suspensões da atual CRF450R. O quadro é 340g mais leve que o anterior e o conjunto muda algumas medidas importantes. O entre-eixos foi encurtado em 3mm. A distância entre o pivô do braço oscilante (220g mais leve) e o eixo traseiro foi reduzida em 15mm. O centro de gravidade baixou 1.4mm.

O subquadro traseiro agora é produzido em alumínio extrudado, não mais forjado, e ficou 20% mais leve. A altura do assento ficou 6mm maior, a nova configuração aumentou também o espaço livre do solo em 5mm. Apesar de todas as novidades para economizar na balança, o peso total da motocicleta subiu 2,5kg, a óbvia vilã foi a adição da partida elétrica.


Balança traseira mais curta – Honda CRF250R 2018


Na suspensão dianteira a Honda abandonou a Showa SFF-TAC com molas a ar e voltou às boas e velhas conhecidas molas helicoidais. O novo garfo Showa de 49mm não é uma evolução do antigo de 48mm, mas uma versão do kit fornecido às equipes do Campeonato Japonês. Na traseira o amortecedor Showa tem a montagem superior posicionada 39mm mais baixa. 
Opcional, o tanque de combustível de titânio, assim como na CRF450R, é 513g mais leve que a peça em plástico.


Tanque de combustível de titânio – Honda CRF250R 2018


Confira mais fotos da nova motocicleta.


Honda CRF250R 2018

 


Honda CRF250R 2018

 


Honda CRF250R 2018

 


Honda CRF250R 2018

 


Honda CRF250R 2018

 


Honda CRF250R 2018